,

04/11 – Pb. Bruno Barreto – “E agora, o que fazer?”

No último domingo, o Pb. Bruno Barreto compartilhou uma palavra com o tema “E agora, o que fazer?”

 

Passagens:

Lucas 3.7-14;
Gênesis 3.21
Salmos 91.1-11;
Apocalipse 3.17-18; 2.6;
Zacarias 3.1-5;
Provérbios 12.17;
Mateus 5.37; 12.37.

 

Resumo da palavra

Quando há um encontro com o Espírito, uma pergunta é gerada: e agora, o que fazer?⠀

Quando o Evangelho chega ao homem, ele exige dele uma resposta. ⠀

Uma multidão ia de longe para o deserto só para ouvir João Batista: arrependei-vos, raça de víboras, gerem frutos! Diante da mensagem, o incômodo levava a pergunta: o que fazer?⠀

O que determina se somos cristãos ou não, não é o que falamos, mas o que produzimos. O conselho de João era que produzissem porque os frutos determinariam a árvore.⠀

A primeira classe de pessoas que pergunta a João o que fazer é a multidão. João responde que quem tinha duas túnicas deveria repartir. As multidões representam a nossa vida social. Devemos saciar a necessidade do próximo. ⠀
Mas mais do que um conselho material sobre egoísmo, há uma conotação espiritual por trás da palavra túnica. O primeiro entendimento que a Bíblia traz é que ela representa uma cobertura espiritual. Deus cobre Adão da sua nudez. Quando tomamos conhecimento da nossa nudez espiritual, Deus nos cobre espiritualmente. E o mesmo devemos fazer com os outros. O problema é quando oferecemos uma cobertura que não possuímos. ⠀

Túnica também representa uma posição espiritual, ela serve para destacar espiritualmente. ⠀
O pai de José o deu uma túnica que o destacava. Além de estar coberto, precisamos manter as vestes limpas. Vestes sujas dão legalidade para o inimigo nos acusar. ⠀

A segunda classe era a dos publicanos. João os aconselha a serem honestos. Isso fala da nossa vida profissional. Devemos falar a verdade e sermos pessoas de palavra. Omissão e manipulação são mentiras. ⠀

A terceira classe era a dos soldados. João os aconselha a não defraudarem ninguém. Isso fala da nossa batalha espiritual. Os soldados recebiam uma autoridade do Império Romano para estabelecer a ordem, mas estavam usando do que receberam em benefício próprio, manipulando pessoas. Nós recebemos autoridade dada por Deus, mas a usamos contra quem deveríamos defender.⠀