Na última quarta, o Pr. Antônio Carlos compartilhou uma palavra com o tema “O poder da gratidão.”

 

 

Passagens:

Êxodo 2.23-25;
Números 16.1-34;
Salmos 139.14-17;
Mateus 14.14-21;
Lucas 22.19-20.

 

Resumo da palavra

Deus escolhe Moisés para libertar o povo do Egito e levá-lo a uma Terra Prometida. Deus tem uma terra boa para o Seu povo, um nível maior de intimidade.

Deus se move nas pequenas coisas, são elas que chamam a atenção dEle. Se até nas pequenas Ele não estiver presente, certamente seremos envergonhados.

Que ao olhar para os detalhes, nosso coração se encha de gratidão porque isso é um sinal da presença do Pai. Israel não reconheceu a grandeza de Deus diante de tanto cuidado e, por isso, apenas dois alcançaram a promessa.

Deus quer que a nossa vara floresça, mas é necessário parar de olharmos a vara dos outros.
A ingratidão gera um sentimento de comparação e insatisfação. Parte do povo de Israel queria o lugar de Moisés e a terra os tragou. Se não entendermos o nosso lugar e a vara que foi confiada a nós, corremos o risco de perder a presença.
Em Lúcifer faltou gratidão, a sua insatisfação o fez desejar tomar o lugar de Deus.

A insatisfação é um pano de fundo para outros pecados. Se não estou satisfeito com o meu cônjuge, posso acabar destruindo meu casamento. Se não estou satisfeito com o meu trabalho, posso acabar me tornando corrupto.
A gratidão antecede o milagre.
Se são cinco pães e dois peixes que temos, sejamos gratos, porque isso é o suficiente para sermos fartos hoje.